quinta-feira, 26 de agosto de 2010

SALTO DE PIRAPORA - [ 26/08 ] - TCE rejeita as contas de 2008 da Prefeitura

TCE rejeita as contas de 2008 da Prefeitura


Wilson Gonçalves Júnior

Notícia publicada na edição de 26/08/2010 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 6 do caderno A – Clique aqui.

• Foto: Luiz Setti - O prefeito Joel Haddad
As contas do prefeito de Salto de Pirapora, Joel David Haddad (PDT), no exercício de 2008, foram rejeitadas pela Primeira Câmara do Tribunal de Contas (TCE) do Estado de São Paulo. Entre as irregularidades graves encontradas estão a não aplicação de 25% do orçamento destinada ao ensino, como obriga a Constituição Federal, e gastos acima da média com publicidade e propaganda, em desacordo com a lei eleitoral. A assessoria de imprensa da Prefeitura informou ontem que irá se manifestar quando a administração analisar o parecer técnico do tribunal.

Uma cópia do parecer do conselheiro Cláudio Ferraz de Alvarenga foi encaminhado ao Ministério Público de Salto de Pirapora, visando instruir inquérito civil que apura renúncia de receita ou isenção de Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).

O relatório da auditoria do TCE, sobre as contas da Prefeitura Municipal de Salto de Pirapora, aponta que a cidade investiu 23,5% da receita de impostos com ensino, já que o artigo 212 da Constituição Federal diz que é obrigação aplicar no mínimo 25%. Ainda na educação, no mesmo exercício, não aplicou os 95% dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e chegou aos 87,1%.

Gastos eleitorais

Quanto aos gastos com publicidade e propaganda oficial, acima da média dos três anos anteriores (2005-2007), a Prefeitura ainda não apresentou os valores referentes aos meses de julho a dezembro. A infração cometida refere-se ao artigo 73 da lei eleitoral 9.504/97. Tudo porque Joel Haddad disputou e venceu o pleito de 2008, e nos três meses que antecedem o pleito ele não poderia autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais.

Defesa

Em sua defesa no TCE, a Prefeitura alegou que a isenção de IPTU é regular e não caracteriza renúncia irregular de receita. Os índices de aplicação no ensino de Salto de Pirapora, diz a defesa, foram de 26,05% e não de 23,5%, como afirmou o TCE. Quanto a violação da legislação eleitoral, a administração municipal apontou que não houve infração, tendo em vista que as despesas foram feitas para publicação de atos administrativos, sem que existisse propaganda de cunho eleitoral.

Prefeito Joel Haddad e Maria Lucia Amary
Prefeito Joel Haddad, Geraldo Alckmin e Maria Lucia Amary

sábado, 21 de agosto de 2010

Lula na UFSCar - [ 21/08 ] - Prefeito Lippi é a favor de pedágio na SP-264

• Olha, eu sempre preferi pedágio ao risco da morte...Prefeito Vitor Lippi.
Já o governador Alberto Goldman reafirmou que não há verba orçamentária e ficará para o próximo governo.

Marcelo Andrade

Notícia publicada na edição de 21/08/2010 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 3 do caderno D.
Clique aqui.

Um dia após o diretor do câmpus da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Isaías Torres, ter dito que é preciso mais mobilização política para conquistar a duplicação da rodovia João Leme dos Santos (SP-264) e ter condenado a possibilidade de pedágio por desagregar uma eventual região metropolitana, ontem o prefeito Vitor Lippi (PSDB) disse que nunca tratou do assunto com o governador e que não é contra o pedágio, pois prefere ele ao risco de mortes. Já o governador Alberto Goldman reafirmou que não há verba orçamentária e ficará para o próximo governo.

As afirmações de Lippi foram feitas pouco antes do início da solenidade de inauguração do câmpus da universidade ao ser abordado por jornalistas. Ao ser questionado se chegou a intermediar diretamente com o governador do Estado a duplicação da rodovia, Lippi foi taxativo: Não diretamente com o governador. Nós tivemos reuniões com a Artesp (Agência Reguladora dos Transportes no Estado de São Paulo) e também com o secretário (dos Transportes), Mauro Arce, e sempre foi colocado isso como uma prioridade absoluta. A informação que nós temos é isso, que entra no próximo lote de concessões do Estado para duplicação. Agora, eu não tenho datas.

O prefeito de Sorocaba negou que tenha faltado articulação política e argumentou que o município tem recebido investimentos ‘expressivos por parte do governo do Estado. Eu tenho feito o possível. Lá na Toyota, o governo do Estado vai investir na Castello Branco, algo em torno de 50 milhões. É o dobro do que foi investido nesse câmpus. Além disso tem as obras das marginais da Raposo, disse e completou: Isso é feito em forma de lotes. Então, está dentro de uma previsão. Mas eu não tenho prazos.

Sobre do fato de a duplicação ocorrer e diante de uma concessão com a instalação de uma praça de pedágio, Lippi emendou: Olha, eu sempre preferi pedágio ao risco da morte. Acho que a questão mais importante é a vida. Hoje as melhores estradas do Brasil e as mais seguras têm pedágio. Não sou contra pedágio, o que eu sou contra e com estradas perigosas. Eu entendo que isso (duplicar sem pedágio) não tem sido a forma de ação das duplicações. Os pedágios têm sido uma importante fonte de financiamento para garantir melhores estradas do Brasil.
É isso que o PSDB quer para o Brasil, e para o Estado de São Paulo, Privatizações e Pedágios

Estrutura ambiental

Pelo convênio de instalação da Ufscar, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) ficou de construir o sistema que levará esgoto para uma estação de efluentes, onde será tratado e retornará para uma caixa de água cinza, para por exemplo, ser usada na descarga, lavagem externa ou irrigação de plantas. Na quinta-feira, o diretor do câmpus, disse que dificuldades na licitação (de competência da autarquia municipal) ainda impedem a conclusão do sistema. Ontem, entretanto, o prefeito Vitor Lippi, foi evasivo na resposta: Estamos fazendo tratamento de esgoto que ainda não é completo. O que nos foi solicitado é uma obra sustentável, com reuso da água. É isso que ainda não foi feito. Isso tem um investimento bastante elevado, mas a Prefeitura tem feito expressivos investimentos para toda a infraestrutura do câmpus, seja no arruamento, parte elétrica (...).

O prefeito, que é do PSDB, partido de oposição ao governo federal, evitou comentar sobre o foco político gerado em torno da inauguração do câmpus, já que isso ocorreu dois anos após o funcionamento da universidade em imóvel próprio e a três quinzenas do dia da eleição em que Lula apoia Dilma Rousseff (PT) para sucedê-lo. Acho que faz parte da política. Todos vão potencializar as questões políticas. Isso é absolutamente natural, finalizou.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O marco regulatório das telecomunicações amplia o conhecimento do Brasil

Presidente Lula inaugura Campus Sorocaba da UFSCar


Presidente Lula - Foto Ricardo Stuckert/PR
Nesta sexta-feira, o Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva esteve em Sorocaba, interior de São Paulo, para inaugurar o campus da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A cerimônia contou com a presença do Ministro da Educação, Fernando Haddad, além de autoridades da Universidade e de Sorocaba. O evento, aberto a toda a comunidade, aconteceu na área externa do edifício de Gestão Acadêmica do campus.

Em 2006, as atividades da UFSCar em Sorocaba foram iniciadas com instalações provisórias na Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens). Apenas em 2008, as atividades de ensino, pesquisa e extensão passaram a ser realizadas definitivamente no campus da UFSCar, na Rodovia João Leme dos Santos, em área doada pela Prefeitura.
Desde sua chegada na cidade, a Universidade tem contribuído em várias atividades relevantes para a região, com o desenvolvimento de projetos na área de educação e cultura e parcerias com a Prefeitura de Sorocaba para o fomento do Parque Tecnológico e a criação do Campus Olímpico.

A arte de viver em qualquer situação de adversidade é a crença em nós mesmos, é a convicção de que temos o poder de superação. Essa afirmação do presidente Lula foi dada, nesta sexta-feira (20/8), em Sorocaba (SP), durante cerimônia de inauguração das instalações do campus Sorocaba, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Na ocasião, foi inaugurado simultaneamente o campus Curitibanos, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).


”Eu compreendi que era normal que as pessoas mais pobres do país tivessem dúvida em relação a mim, porque se elas não acreditavam em si mesmas, como poderiam acreditar em alguém igual a elas?”, disse.

http://blog.planalto.gov.br/o-marco-regulatorio-das-telecomunicacoes-amplia-o-conhecimento-do-brasil/trackback/

Para o presidente, a grande lição de sua vida foi compreender que para governar é preciso conhecer o povo profundamente. “Por isso, hoje, eu defendo o marco regulatório das telecomunicações, que tem que acontecer neste país, pois nós vivemos com um marco regulatório de telecomunicações de 1962. Porque é importante que quem está no interior saiba o que acontece no Rio de Janeiro e em São Paulo, mas é fundamental que quem está em São Paulo e no Rio veja o que acontece nas outras regiões, conheça outras expressões culturais, senão parece que a gente tem uma cara só, que somos todos iguais”, disse.

Presidente Lula inaugurou campus da UFSCar, em Sorocaba (SP) e visitou instalações do laboratório da universidade. Foto Ricardo Stuckert/PR
O presidente concluiu com uma mensagem de positividade aos jovens, afirmando que cabe a eles definir os novos rumos do Brasil. “Nós só teremos uma grande nação quando a gente estiver exportando conhecimento. É por isso que eu vim aqui na inauguração. Vocês estão começando agora, então daqui para frente, em vez de cobrar, façam o que vocês têm que fazer, porque agora é a vez de vocês mostrarem que são capazes de fazer deste país uma grande nação”.

Na ocasião, o presidente visitou um dos dez laboratórios da UFSCar, que conta ainda com 14 salas de aula, quadra poliesportiva, restaurante universitário e biblioteca, em uma área de aproximadamente 70 mil metros quadrados. Já o campus de Curitibanos, da UFSC, conta com 15 salas de aulas, biblioteca, dez laboratórios integrados e auditório com 180 lugares.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Descartada duplicação da SP-264 – Rodovia João Leme dos Santos – Salto de Pirapora á Sorocaba

Descartada duplicação da SP-264 – Rodovia João Leme dos Santos – Salto de Pirapora á Sorocaba

Anunciou o Governador Alberto Goldman (PSDB) o substituto de José Serra

O governador Alberto Goldman anunciou no evento de ontem a publicação, ainda para este mês, da licitação que vai transformar o trecho de cinco quilômetros da rodovia SP-79, entre Itu e Salto, em uma avenida. E em entrevista coletiva descartou a duplicação da SP-264, a rodovia João Leme dos Santos, que liga Sorocaba a Salto de Pirapora, e onde está instalado o campus de Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). Justificou falta de orçamento.

A duplicação da SP-79 havia sido anunciada em fevereiro deste ano, pelo então governador, José Serra, durante visita a Votorantim. Na ocasião, declarou que as obras na rodovia, de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), seriam feitas no trecho de 28 quilômetros, do distrito industrial em Sorocaba até Itu e no trecho de Salto a Itu, anunciado ontem por Goldman. O atual governador prevê o custo de R$ 33 milhões na avenida entre Salto e Itu. Sobre o trecho Itu e Sorocaba, falou que a obra estava em estudo para ser assumida pela Rodovias das Colinas. A concessionária não tem a cessão da SP-79 e, consultados via assessoria de imprensa, tanto o DER como a Agência Reguladora dos Transportes de São Paulo (Artesp) não explicaram a situação até o fechamento da matéria sobre tal possibilidade.

Alberto Goldman, Geraldo Alckmin e José Serra (PSDB) comandam o Estado de São Paulo a mais de 20 anos  

Governador Alberto Goldman (PSDB) discute com manifestantes

TENSÃO ELEITORAL EM SALTO - [ 19/08 ]


Leandro Nogueira


Notícia publicada na edição de 19/08/2010 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 6 do caderno A - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.


Alberto Goldman atual Governador do Estado de São Paulo e José Serra (PSDB)
De cima do palanque e para um público reduzido a menos de cem pessoas o governador do Estado, Alberto Goldman (PSDB), perdeu a paciência e discutiu com cerca de 20 manifestantes que, silenciosamente, empunhavam placas e faixas pedindo melhorias para a Segurança, Educação e continham críticas ao ex-governador e candidato à presidência, José Serra. O fato ocorreu na manhã de ontem, em Salto, durante a inauguração de obras viárias executadas pela concessionária Rodovias das Colinas. Não vou fazer (campanha eleitoral) porque a lei não me permite, mas eu não admito também o nome do candidato (José Serra) sendo atacado naquela faixa, é ilegal atacar, disse o governador, em um dos momentos em que mais estava exaltado.

A faixa empunhada por membros do Comitê Sindical de Salto expressava a frase Serra mente para o povo e a educação pede socorro. Entre várias placas vermelhas empunhadas pelos manifestantes, constava que Salto quer aparecer na TV por bons motivos e não por crimes, ou ainda, que a população não aguenta crimes e impunidade. Os manifestantes que estavam em silêncio ao fundo do evento e até aquele momento tinham sido percebidos pela minoria dos presentes, passaram a defender os seus pontos de vista em voz alta assim que Goldman dirigiu a eles o foco do evento. Diziam que, em Salto, a criminalidade não caiu aos índices apresentados pelo Estado e recomendaram ao governador que mandasse a polícia tirá-los dali, como respostas à suposta ilegalidade da faixa com dizeres contra o candidato José Serra.

Palanque eleitoral

Alberto Goldman Governador do Estado de São Paulo Anuncia


Goldman evitou falar no nome de José Serra durante a quase meia hora em que esteve com o microfone, mas não deixou de exaltar o trabalho do ex-governador licenciado para disputar a presidência da República. Posso dar continuidade a um trabalho que vem sendo feito (à) de uma forma consciente, séria, como foi desde 2007 tocado nesse governo. Também falou de conquista da deputada estadual, candidata à reeleição pelo PV, Rita Passos. E empenhou-se para explicar a cobrança dos pedágios, dirigindo críticas ao Governo Federal. Dizem por aí que não vão cobrar pedágio. Quem vai pagar então a manutenção? Aquele que sequer tem um carro ou gasolina para andar na estrada? O Governo Federal faz também, mas não faz tão bem feito, as rodovias federais em São Paulo (à) rodovias da morte (à) não tem nada parecido em termos de qualidade com essa que vocês estão vendo aqui. Também falou da falta de segurança nas fronteiras que permite a entrada de entorpecentes no país.

O governador estava sob uma tenda montada às margens da rodovia SP-75, estrada que liga Sorocaba a Campinas, no perímetro de Salto. Naquele trecho havia uma rotatória de mão dupla que chegou a ser apelidada de da morte na cidade de Salto. Houve vários acidentes fatais, como observou o prefeito de Salto, Geraldo Garcia (PDT). A duplicação inaugurada ontem foi incluída após a pressão de políticos locais junto ao Governo. A concessionária Rodovias das Colinas investiu R$ 13 milhões na duplicação que foi liberada para o trânsito no mês de janeiro. Como compensação dessa e outras obras que não eram previstas no contrato, a cessão antes prevista por 20 anos foi estendida por mais quatro, até 2024.

No evento, com a presença dos prefeitos de Salto e Itu e outras autoridades locais, o governador descerrou placas de inauguração da duplicação da SP-75 (do km 36,6 ao 38,85); SP-300 (Itu-Porto Feliz, km 131,2 ao 132,5), vias marginais e retorno; SP-127 (Cerquilho, km 98 a 98,47), instalação de posto de fiscalização na rodovia Castello Branco (SP-280, km 95), além de uma estrada vicinal em Salto e outra que liga Boituva e Cerquilho.

Descartada duplicação da SP-264 – Rodovia João Leme dos Santos – Salto de Pirapora á Sorocaba


Anunciou o Governador Alberto Goldman (PSDB) o substituto de José Serra


SP 264 - Rodovia João Leme dos Santos
O governador Alberto Goldman anunciou no evento de ontem a publicação, ainda para este mês, da licitação que vai transformar o trecho de cinco quilômetros da rodovia SP-79, entre Itu e Salto, em uma avenida. E em entrevista coletiva descartou a duplicação da SP-264, a rodovia João Leme dos Santos, que liga Sorocaba a Salto de Pirapora, e onde está instalado o campus de Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). Justificou falta de orçamento.

A duplicação da SP-79 havia sido anunciada em fevereiro deste ano, pelo então governador, José Serra, durante visita a Votorantim. Na ocasião, declarou que as obras na rodovia, de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), seriam feitas no trecho de 28 quilômetros, do distrito industrial em Sorocaba até Itu e no trecho de Salto a Itu, anunciado ontem por Goldman. O atual governador prevê o custo de R$ 33 milhões na avenida entre Salto e Itu. Sobre o trecho Itu e Sorocaba, falou que a obra estava em estudo para ser assumida pela Rodovias das Colinas. A concessionária não tem a cessão da SP-79 e, consultados via assessoria de imprensa, tanto o DER como a Agência Reguladora dos Transportes de São Paulo (Artesp) não explicaram a situação até o fechamento da matéria sobre tal possibilidade.

Aeroporto de Sorocaba

O governo publicou editais para a concessão às empresas privadas os aeroportos de Sorocaba e outros regionais do Estado, conforme publicado ontem pelo Cruzeiro do Sul. No caso de Sorocaba, para a instalação de oficinas mecânicas, escolas e outras atividades relacionadas à aviação. Questionado se isso descarta a aviação comercial em Sorocaba, o governador afirmou que esse era um assunto técnico que não sabia responder. O secretário de Transportes, Mauro Arce, disse que a Azul agendou uma audiência com ele sobre o tema.

Clique aqui no link e veja no site do Jornal Cruzeiro do Sul
http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia.phl?editoria=35&id=334319

Luiz Inácio Lula da Silva inaugura o campus da UFSCAR

Presidente Lula vai inaugurar oficialmente a UFSCar dia 20/08
Na próxima sexta-feira (20/8), o Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva estará em Sorocaba para inaugurar o campus da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), instalado no Município em 2008. A solenidade contará com a presença do Ministro da Educação Fernando Haddad, além de autoridades da Universidade e de Sorocaba. O evento será aberto a toda a comunidade e tem início às 10 horas, na área externa do edifício de Gestão Acadêmica do campus.


As atividades da UFSCar em Sorocaba tiveram início em 2006, instaladas provisoriamente na Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens). Em 2008, as atividades de ensino, pesquisa e extensão passaram a ser realizadas definitivamente no campus da UFSCar na Rodovia João Leme dos Santos, em área doada pela Prefeitura de Sorocaba. No dia 23 de junho de 2008, o Ministro Fernando Haddad inaugurou parte das obras do campus com a conclusão dos edifícios de Gestão Acadêmica, Salas de Aula e Laboratórios Didáticos.

Desde sua chegada em Sorocaba, a UFSCar tem participado de várias atividades relevantes para a cidade e para a região. Destacam-se, dentre outros projetos, atividades na área de educação e cultura e parcerias com a Prefeitura de Sorocaba visando o fomento do Parque Tecnológico e a criação do Campus Olímpico. Essas iniciativas demonstram que a integração da Universidade e a comunidade regional já é uma realidade.

O Reitor da UFSCar, Targino de Araújo Filho considera que as presenças do Presidente Lula e do Ministro Haddad na inauguração do campus representam o reconhecimento das atividades desenvolvidas pela UFSCar em Sorocaba. "A vinda do Presidente e do Ministro da Educação marcam o reconhecimento do processo de crescimento do campus Sorocaba e enfatiza a visão delas quanto à importância do ensino público", conclui o dirigente da UFSCAR.

Data: 19/08/2010Fonte: Assessoria de Imprensa da UFSCAR

Luiz Inácio Lula da Silva inaugura o campus da UFSCAR

para inaugurar o campus da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), instalado no Município em 2008. A solenidade contará com a presença do Ministro da Educação Fernando Haddad, além de autoridades da Universidade e de Sorocaba. O evento será aberto a toda a comunidade e tem início às 10 horas, na área externa do edifício de Gestão Acadêmica do campus.


As atividades da UFSCar em Sorocaba tiveram início em 2006, instaladas provisoriamente na Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens). Em 2008, as atividades de ensino, pesquisa e extensão passaram a ser realizadas definitivamente no campus da UFSCar na Rodovia João Leme dos Santos, em área doada pela Prefeitura de Sorocaba. No dia 23 de junho de 2008, o Ministro Fernando Haddad inaugurou parte das obras do campus com a conclusão dos edifícios de Gestão Acadêmica, Salas de Aula e Laboratórios Didáticos.
Data: 19/08/2010Fonte: Assessoria de Imprensa da UFSCAR

residente Lula estará na UFSCAR na sexta-feira
Na próxima sexta-feira (20/8), o Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva estará em Sorocaba .
Desde sua chegada em Sorocaba, a UFSCar tem participado de várias atividades relevantes para a cidade e para a região. Destacam-se, dentre outros projetos, atividades na área de educação e cultura e parcerias com a Prefeitura de Sorocaba visando o fomento do Parque Tecnológico e a criação do Campus Olímpico. Essas iniciativas demonstram que a integração da Universidade e a comunidade regional já é uma realidade.

O Reitor da UFSCar, Targino de Araújo Filho considera que as presenças do Presidente Lula e do Ministro Haddad na inauguração do campus representam o reconhecimento das atividades desenvolvidas pela UFSCar em Sorocaba. "A vinda do Presidente e do Ministro da Educação marcam o reconhecimento do processo de crescimento do campus Sorocaba e enfatiza a visão delas quanto à importância do ensino público", conclui o dirigente da UFSCAR.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

DUAS VERDADES: até ‘ontem’ (S)erra erra(va) ao ‘insinuar afirmando’ que seria ele o criador do seguro-desemprego!

Depois dizem, que o Lula é que gosta de uma branquinha (51), 13 é uma boa idéia

OS PONTOS NOS Is:


Embora já previsto na Constituição de 1946, o benefício [seguro-desemprego] só foi criado em 1986 pelo então presidente José Sarney através do Decreto 2.283 de 27 de fevereiro. Posteriormente o benefício passou a integrar o Programa do Seguro-Desemprego, instituído através da Lei n.º 7.998, de 11 janeiro de 1990, que também deliberou sobre a fonte de recursos, com a instituição do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT.

Alberto Goldman Governador do Estado de São Paulo e José Serra ?


A OUTRA VERDADE: a autoria solo do (S)erra também foi por ele apregoada em relação à criação dos medicamentos genéricos, um tal (S)erra economista farmacêutico, sanitarista nas horas vagas!

República Deste Banana Falastrão, Plagiador e Autoritário
 
O engraçado é a Anna Hickman apresentando. Deve estar tentando garantir um emprego depois que Serra, Abril, Globo, Folha e Estadão cassarem a concessão da Record.


ENTENDA ‘O BRASIL PODE MAIS’ DO JOSÉ (S)ERRA! PARTE II


Serra: Prometo buscar alternativas para o trânsito de São Paulo, colocarei também pedágios nas ferrovias.

# ‘O Brasil pode mais’ resgatar o ‘engavetador-mor da nação’, um neoBrindeiro, tipo Gilmar Dantas;

# ‘O Brasil pode mais’ dar habeas corpus preventivo para gente da laia de Daniel Dantas, Paulo Salin Maluf e a dona da Daslu, esta última amissíssima da dona Lu Alckmin, “que chique”!;

# ‘O Brasil pode mais’ implodir o PAC, inclusive o da infra-estrutura relacionado à prevenção das enchentes;

ENTENDA ‘O BRASIL PODE MAIS’ DO JOSÉ (S)ERRA!



# ‘O Brasil pode mais’ privatizar, criminosamente, o patrimônio público;

# ‘O Brasil pode mais’ entregar as riquezas nacionais para meia dúzia de porcos capitalistas;

# ‘O Brasil pode mais’ dizer, sistematicamente, amém aos EUA;

# ‘O Brasil pode mais’ recorrer, novamente, ao FMI;

# ‘O Brasil pode mais’ arrochar os salários dos trabalhadores;

# ‘O Brasil pode mais’ reprimir os movimentos sociais, do tipo professores da rede pública da província de SUMPAULO “do dono (S)erra” - e MST, via a vice da vez, a DEMotucana Kátia (A)breu, um breu de insignificância e de pessoa!;

Me diverte muito ver como um homem pode ser ao mesmo tempo tão dissimulado e ingênuo.

Aécio Neves, José Serra, FHC e Gilberto Kassab

Na Constituinte, José Serra (PSDB) votou sempre contra os trabalhadores


José Serra votou sempre contra os trabalhadores 
Clique na imagem para ampliar o tamanho

Quando foi deputado federal pelo PMDB-SP, José Serra participou da elaboração da nova Constituição Brasileira, promulgada em 05 de outubro de 1988. O agora candidato a presidente da República sempre esteve do lado contrário dos interesses dos trabalhadores, recebendo nota 3,75 pelo seu desempenho na Constituinte. Veja como o candidato foi contra todos os direitos trabalhistas.


a) votou contra a redução da jornada de trabalho para 40 horas;

b) votou contra garantias ao trabalhador de estabilidade no emprego;

c) votou contra a implantação de Comissão de Fábrica nas indústrias;

d) votou contra o monopólio nacional da distribuição do petróleo;

e) negou seu voto pelo direito de greve;

f) negou seu voto pelo abono de férias de 1/3 do salário;

g) negou seu voto pelo aviso prévio proporcional;

Fernado Henrique Cardoso e José Serra
h) negou seu voto pela estabilidade do dirigente sindical;  

i) negou seu voto para garantir 30 dias de aviso prévio;

j) negou seu voto pela garantia do salário mínimo real;



Fonte: DIAP — “Quem foi quem na Constituinte”;pag. 621.
Clique aqui.


Promulgação da Constituição de 1988
José Serra ao lado de Mário Cóvas em 1988
Esse é o verdadeiro José Serra, que a Globo/TV não mostra

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Investimentos Pró-Vicinais para a região dependem da União – Governo Federal * Clique aqui.






Candidato ao Governo do Estado de São Paulo - Aloizio Mercadante

Dos empréstimos autorizados pelo governo Lula, mais de R$ 7,7 bilhões serão para obras do Programa “Expansão São Paulo”, para ampliação e melhoria do transporte metroviário e ferroviário na Região Metropolitana, a cargo do Metrô e da CPTM. Outros R$ 1,4 bilhão irão para melhoria das estradas, sendo cerca de R$ 720 milhões para melhoria das rodovias e mais R$ 660 milhões para obras e melhorias das estradas vicinais.


Quase R$ 2,8 bilhões serão aplicados em obras de saneamento básico da Sabesp, R$ 835 milhões para obras de recuperação ambiental e outros R$ 320 milhões para obras de combate a enchentes. Diferentemente do governo FHC, o governo Lula tem autorizado os estados a contraírem novos empréstimos para execução de projetos e investimentos necessários ao desenvolvimento.

Assim é que São Paulo recebeu mais recursos para investimentos do que em qualquer outra época. Além dos empréstimos feitos diretamente pelo BNDES e pela CEF, que já somam mais de R$ 2,7 bilhões, o governo Federal é o avalista junto ao BID, ao BIRD e ao JBIC em empréstimos que somam mais de R$ 11 bilhões. Os empréstimos autorizados pelo presidente Lula para São Paulo já somam quase de R$ 14 bilhões.

Além desses recursos, mais R$ 240 milhões serão aplicados para construção de novos presídios, cerca de R$ 183 milhões para construção do Complexo Cultural do Teatro da Dança de São Paulo e outros R$ 274 milhões serão aplicados em projetos de modernização fiscal. Muitos dos projetos agora em andamento estavam parados há quase 20 anos por falta de recursos e foram adiados sucessivamente pelos governos do PSDB.



José Serra (PSDB-SP) e a promessa não comprida do Pró-Vicinais para Salto de Pirapora




Na época o governador do Estado de São Paulo José Serra (PSDB-SP) contemplava a cidade com o programa de recuperação e pavimentação de estradas vicinais, o “Pró-Vicinais”.

A informação veiculada pelo diário oficial da cidade em 30 de Janeiro de 2009, afirmava que Salto de Pirapora havia sido contemplada com a recuperação de importantes estradas vicinais, a SLR /010 Salto de Pirapora/Bairro Piraporão, estrada municipal da Barra e a pavimentação da vicinal SLR-030 com extensão de 10 Km que passa pelo bairro Arco-íris e que liga o município de Salto de Pirapora ao bairro dos Leites, divisa com o município de Piedade, que atualmente é estrada de terra e também a estrada que liga Salto de Pirapora/bairro da Fazendinha. O que foi afirmado, não foi cumprido.


Segundo afirmação da própria Prefeitura, com as afirmações recebidas do Governo do Estado de São Paulo, a conclusão das obras está prevista para o primeiro trimestre de 2010, o que não é verdade, pois nenhuma das estradas iniciou-se as obras, a equipe do jornal Liberdade esteve no mês de Maio de 2010 averiguando todas as estradas citadas, a lamentável situação, todas esburacadas em péssimas condições de circulação, as asfaltadas sem nenhuma sinalização de trânsito adequada e sem acostamento, além de estarem todas deterioradas e com muitos buracos.

A edição nº. 44 do jornal da imprensa oficial do município pode ser acessado no site www.saltodepirapora.sp.gov.br para comprovar as informações aqui citadas. Clique Aqui.



A Rodovia João Guimarães mais conhecida como Rodovia do Minério, que liga Salto de Pirapora á Piedade é muito utilizada por muitos caminhoneiros e pela Construtora Afonso que presta serviços para a Cimentos Votoran. A própria empresa Afonso deslocou uma máquina Patrol para melhorar o acostamento de toda a estrada, já que o Estado ou Prefeitura não está presente para resolver os problemas das estradas municipais da região, sendo que recebem verbas do Governo Federal para melhorias na cidade e nas estradas, além de receber os impostos dessas empresas mineradoras que prestam serviços na cidade, e não tiveram nenhum retorno e benefício através das estradas da região nos 15 anos do PSDB no Governo do Estado de São Paulo, os ex-governadores Mario Covas, Geraldo Alckmin e José Serra sempre foram omissos com a nossa região.


Tecnologia do cimento Portland é a mesma que é adotada nas obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Brasil.



“Precisamos melhorar as rodovias brasileiras porque às vezes se inaugura uma rodovia e, dois anos depois, já se tem que estar com uma operação tapa-buracos”, afirmou o presidente Lula.

Quando se fala em custo-benefício, o concreto também oferece vantagens por sua durabilidade ultrapassar 30 anos, com mínima manutenção, o que influi diretamente na economia de despesas pelo Poder Público. De acordo com o Banco Mundial, cada dólar investido em uma estrada de concreto corresponde a uma economia de três dólares em custo operacional. Há casos de rodovias feitas em concreto, como a Teresópolis-Itaipava, no Rio de Janeiro, que mantém o mesmo pavimento há quase 50 anos.

O moderno sistema de pavimentação rígida de concreto confere à superfície maior conforto de rolamento e propicia menor distância de frenagem, colaborando para a diminuição do número de acidentes, além de permitir uma melhor visibilidade noturna, devido à cor clara da pista.



Informações da ABCP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND

Dez falsos motivos para não votar em Dilma Rousseff


Do blog Vi o Mundo


Por Jorge Furtado

Tenho alguns amigos que não pretendem votar na Dilma, um ou outro até diz que vai votar no Serra. Espero que sigam sendo meus amigos. Política, como ensina André Comte-Sponville, supõe conflitos: “A política nos reúne nos opondo: ela nos opõe sobre a melhor maneira de nos reunir”.

Leio diariamente o noticiário político e ainda não encontrei bons argumentos para votar no Serra, uma candidatura que cada vez mais assume seu caráter conservador. Serra representa o grupo político que governou o Brasil antes do Lula, com desempenho, sob qualquer critério, muito inferior ao do governo petista, a comparação chega a ser enfadonha, vai lá para o pé da página, quem quiser que leia. (1)

Ouvi alguns argumentos razoáveis para votar em Marina, como incluir a sustentabilidade na agenda do desenvolvimento. Marina foi ministra do Lula por sete anos e parece ser uma boa pessoa, uma batalhadora das causas ambientalistas. Tem, no entanto (na minha opinião) o inconveniente de fazer parte de uma igreja bastante rígida, o que me faz temer sobre a capacidade que teria um eventual governo comandado por ela de avançar em questões fundamentais como os direitos dos homossexuais, a descriminalização do aborto ou as pesquisas envolvendo as células tronco.

Ouço e leio alguns argumentos para não votar em Dilma, argumentos que me parecem inconsistentes, distorcidos, precários ou simplesmente falsos. Passo a analisar os dez mais freqüentes.

1. “Alternância no poder é bom”.

Falso. O sentido da democracia não é a alternância no poder e sim a escolha, pela maioria, da melhor proposta de governo, levando-se em conta o conhecimento que o eleitor tem dos candidatos e seus grupo políticos, o que dizem pretender fazer e, principalmente, o que fizeram quando exerceram o poder. Ninguém pode defender seriamente a idéia de que seria boa a alternância entre a recessão e o desenvolvimento, entre o desemprego e a geração de empregos, entre o arrocho salarial e o aumento do poder aquisitivo da população, entre a distribuição e a concentração da riqueza. Se a alternância no poder fosse um valor em si não precisaria haver eleição e muito menos deveria haver a possibilidade de reeleição.

2. “Não há mais diferença entre direita e esquerda”.

Falso. Esquerda e direita são posições relativas, não absolutas. A esquerda é, desde a sua origem, a posição política que tem por objetivo a diminuição das desigualdades sociais, a distribuição da riqueza, a inserção social dos desfavorecidos. As conquistas necessárias para se atingir estes objetivos mudam com o tempo. Hoje, ser de esquerda significa defender o fortalecimento do estado como garantidor do bem-estar social, regulador do mercado, promotor do desenvolvimento e da distribuição de riqueza, tudo isso numa sociedade democrática com plena liberdade de expressão e ampla defesa das minorias. O complexo (e confuso) sistema político brasileiro exige que os vários partidos se reúnam em coligações que lhes garantam maioria parlamentar, sem a qual o país se torna ingovernável. A candidatura de Dilma tem o apoio de políticos que jamais poderiam ser chamados de “esquerdistas”, como Sarney, Collor ou Renan Calheiros, lideranças regionais que se abrigam principalmente no PMDB, partido de espectro ideológico muito amplo. José Serra tem o apoio majoritário da direita e da extrema-direita reunida no DEM (2), da “direita” do PMDB, além do PTB, PPS e outros pequenos partidos de direita: Roberto Jefferson, Jorge Borhausen, ACM Netto, Orestes Quércia, Heráclito Fortes, Roberto Freire, Demóstenes Torres, Álvaro Dias, Arthur Virgílio, Agripino Maia, Joaquim Roriz, Marconi Pirilo, Ronaldo Caiado, Katia Abreu, André Pucinelli, são todos de direita e todos serristas, isso para não falar no folclórico Índio da Costa, vice de Serra. Comparado com Agripino Maia ou Jorge Borhausen, José Sarney é Che Guevara.

3. “Dilma não é simpática”.

Argumento precário e totalmente subjetivo. Precário porque a simpatia não é, ou não deveria ser, um atributo fundamental para o bom governante. Subjetivo, porque o quesito “simpatia” depende totalmente do gosto do freguês. Na minha opinião, por exemplo, é difícil encontrar alguém na vida pública que seja mais antipático que José Serra, embora ele talvez tenha sido um bom governante de seu estado. Sua arrogância com quem lhe faz críticas, seu destempero e prepotência com jornalistas, especialmente com as mulheres, chega a ser revoltante.

4. “Dilma não tem experiência”.

Argumento inconsistente. Dilma foi secretária de estado, foi ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, fez parte do conselho da Petrobras, gerenciou com eficiência os gigantescos investimentos do PAC, dos programas de habitação popular e eletrificação rural. Dilma tem muito mais experiência administrativa, por exemplo, do que tinha o Lula, que só tinha sido parlamentar, nunca tinha administrado um orçamento, e está fazendo um bom governo.

5. “Dilma foi terrorista”.

Argumento em parte falso, em parte distorcido. Falso, porque não há qualquer prova de que Dilma tenha tomado parte de ações “terroristas”. Distorcido, porque é fato que Dilma fez parte de grupos de resistência à ditadura militar, do que deve se orgulhar, e que este grupo praticou ações armadas, o que pode (ou não) ser condenável. José Serra também fez parte de um grupo de resistência à ditadura, a AP (Ação Popular), que também praticou ações armadas, das quais Serra não tomou parte. Muitos jovens que participaram de grupos de resistência à ditadura hoje participam da vida democrática como candidatos. Alguns, como Fernando Gabeira, participaram ativamente de seqüestros, assaltos a banco e ações armadas. A luta daqueles jovens, mesmo que por meios discutíveis, ajudou a restabelecer a democracia no país e deveria ser motivo de orgulho, não de vergonha.

6. “As coisas boas do governo petista começaram no governo tucano”.

Falso. Todo governo herda políticas e programas do governo anterior, políticas que pode manter, transformar, ampliar, reduzir ou encerrar. O governo FHC herdou do governo Itamar o real, o programa dos genéricos, o FAT, o programa de combate a AIDS. Teve o mérito de manter e aperfeiçoá-los, desenvolvê-los, ampliá-los. O governo Lula herdou do governo FHC, por exemplo, vários programas de assistência social. Teve o mérito de unificá-los e ampliá-los, criando o Bolsa Família. De qualquer maneira, os resultados do governo Lula são tão superiores aos do governo FHC que o debate “quem começou o quê” torna-se irrelevante.

7. “Serra vai moralizar a política”.

Argumento inconsistente. Nos oito anos de governo tucano-pefelista – no qual José Serra ocupou papel de destaque, sendo escolhido para suceder FHC – foram inúmeros os casos de corrupção, um deles no próprio Ministério da Saúde, comandado por Serra, o superfaturamento de ambulâncias investigado pela “Operação Sanguessuga”. Se considerarmos o volume de dinheiro público desviado para destinos nebulosos e paraísos fiscais nas privatizações e o auxílio luxuoso aos banqueiros falidos, o governo tucano talvez tenha sido o mais corrupto da história do país. Ao contrário do que aconteceu no governo Lula, a corrupção no governo FHC não foi investigada por nenhuma CPI, todas sepultadas pela maioria parlamentar da coligação PSDB-PFL. O procurador da república ficou conhecido com “engavetador da república”, tal a quantidade de investigações criminais que morreram em suas mãos. O esquema de financiamento eleitoral batizado de “mensalão” foi criado pelo presidente nacional do PSDB, senador Eduardo Azeredo, hoje réu em processo criminal. O governador José Roberto Arruda, do DEM, era o principal candidato ao posto de vice-presidente na chapa de Serra, até ser preso por corrupção no “mensalão do DEM”. Roberto Jefferson, réu confesso do mensalão petista, hoje apóia José Serra. Todos estes fatos, incontestáveis, não indicam que um eventual governo Serra poderia ser mais eficiente no combate à corrupção do que seria um governo Dilma, ao contrário.

8. “O PT apóia as FARC”.

Argumento falso. É fato que, no passado, as FARC ensaiaram uma tentativa de institucionalização e buscaram aproximação com o PT, então na oposição, e também com o governo brasileiro, através de contatos com o líder do governo tucano, Arthur Virgílio. Estes contatos foram rompidos com a radicalização da guerrilha na Colômbia e nunca foram retomados, a não ser nos delírios da imprensa de extrema-direita. A relação entre o governo brasileiro e os governos estabelecidos de vários países deve estar acima de divergências ideológicas, num princípio básico da diplomacia, o da auto-determinação dos povos. Não há notícias, por exemplo, de capitalistas brasileiros que defendam o rompimento das relações com a China, um dos nossos maiores parceiros comerciais, por se tratar de uma ditadura. Ou alguém acha que a China é um país democrático?

9. “O PT censura a imprensa”.

Argumento falso. Em seus oito anos de governo o presidente Lula enfrentou a oposição feroz e constante dos principais veículos da antiga imprensa. Esta oposição foi explicitada pela presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) que declarou que seus filiados assumiram “a posição oposicionista (sic) deste país”. Não há registro de um único caso de censura à imprensa por parte do governo Lula. O que há, frequentemente, é a queixa dos órgãos de imprensa sobre tentativas da sociedade e do governo, a exemplo do que acontece em todos os países democráticos do mundo, de regulamentar a atividade da mídia.

10. “Os jornais, a televisão e as revistas falam muito mal da Dilma e muito bem do Serra”.

Isso é verdade. E mais um bom motivo para votar nela e não nele.

*****

(1) Alguns dados comparativos dos governos FHC e Lula.

Geração de empregos:

FHC/Serra = 780 mil x Lula/Dilma = 12 milhões

Salário mínimo:

FHC/Serra = 64 dólares x Lula/Dilma = 290 dólares

Mobilidade social (brasileiros que deixaram a linha da pobreza):

FHC/Serra = 2 milhões x Lula/Dilma = 27 milhões

Risco Brasil:

FHC/Serra = 2.700 pontos x Lula/Dilma = 200 pontos

Dólar:

FHC/Serra = R$ 3,00 x Lula/Dilma = R$ 1,78

Reservas cambiais:

FHC/Serra = 185 bilhões de dólares negativos x Lula/Dilma = 239 bilhões de dólares positivos.

Relação crédito/PIB:

FHC/Serra = 14% x Lula/Dilma = 34%

Produção de automóveis:

FHC/Serra = queda de 20% x Lula/Dilma = aumento de 30%

Taxa de juros:

FHC/Serra = 27% x Lula/Dilma = 10,75%

FHC sobre a privatização da Vale - Veja.com




Serra, FHC e o PSDB passaram oito anos no poder. Agora, querem voltar.




(2) Elio Gaspari, na Folha de S.Paulo de 25.07.10:

José Serra começou sua campanha dizendo: “Não aceito o raciocínio do nós contra eles”, e em apenas dois meses viu-se lançado pelo seu colega de chapa numa discussão em torno das ligações do PT com as Farc e o narcotráfico. Caso típico de rabo que abanou o cachorro. O destempero de Indio da Costa tem método. Se Tupã ajudar Serra a vencer a eleição, o DEM volta ao poder. Se prejudicar, ajudando Dilma Rousseff, o PSDB sairá da campanha com a identidade estilhaçada. Já o DEM, que entrou na disputa com o cocar do seu mensalão, sairá brandindo o tacape do conservadorismo feroz que renasceu em diversos países, sobretudo nos Estados Unidos.

domingo, 15 de agosto de 2010

Globo tenta o golpe da Dilma terrorista

Agora falta falar do Serra na AP e do Aloysio com os bancos

A revista Época que está nas bancas traz uma capa requentada.


“O passado de Dilma – documentos inéditos revelam uma história que ela não gosta de lembrar: seu papel na luta armada contra o regime militar”.

Trata-se de uma das ultimas tentativas de golpe das Organizações (?) Globo.

A reportagem não traz nada de novo.

E não ouviu a Dilma, que se recusa a falar com a Globo sobre esse assunto.

(Por que o Casal 45 não perguntou à Dilma sobre as centenas de criancinhas que ela fuzilou quando era terrorista ?)

A Dilma mandou dizer à Globo (Época):

Nunca participou de ação armada; não lhe perguntaram sobre isso na “justiça” do regime militar; não foi julgada sobre isso nem foi condenada por isso.

Nada que a “ficha falsa” da Folha (*) já não tivesse dito.

A primazia na tentativa de Golpe, aí, é da Folha (*).

O senador Agripino Maia sabe disse melhor do que ninguém.

Clique aqui para ver o vídeo em Dilma massacra Agripino Maia sobre sua forma de combater o regime militar.

O mais sinistro dessa tentativa de golpe da Globo é um box da revista da Globo, que se pergunta: “as duvidas sobre o passado”.

As duvidas estão respondidas no corpo da própria matéria.

Aguarda-se numa próxima edição da revista da Globo reportagens sobre a ação de José Serra na Ação Popular (organização a que se atribui um atentado ao Aeroporto de Guararapes, em Recife); e os assaltos a banco de Aloysio Nunes Ferreira (Aloysio quem ?), candidato de Serra ao Senado, por São Paulo.

Paulo Henrique Amorim


(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que avacalha o Presidente Lula por causa de um comercial de TV; que publica artigo sórdido de ex-militante do PT; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

Band TV: Paulista pagou quase R$ 3 bilhões em pedágio neste ano - Clique aqui para ler a matéria no site da Band.



Band TV


Como se não bastasse já ter pago mais de R$ 55,8 bilhões em imposto, o paulista já gastou quase R$ 3 bilhões com pedágio nas rodovias do estado. Às 13h desta quarta-feira, o pedagiômetro contabilizava R$ 2,927 bilhões. No ano passado inteiro, as concessionárias das estradas arrecadaram R$ 4,5 bilhões. A média de crescimento apresentada de um ano para o outro é de 25%.

O número de postos também cresceu nos últimos anos. De 1997 para 2010, São Paulo ganhou 187 praças. De dois anos para cá, as rodovias do estado recebeu mais 71 postos de cobrança aumentou, de acordo com a Artesp (Agência Reguladora de Serviços de Transportes do Estado de São Paulo).



Embora o estado tenha as dez melhores rodovias do Brasil, também tem as tarifas de pedágio mais caras, de acordo com um levantamento da Confederação Nacional dos Transportes. Os altos valores cobrados encarecem o frete e até impedem o tráfego dos motoristas de uma cidade para outra. Um caminhão de seis eixos paga 74% mais em imposto em terras paulistas do que em outro estado, apontou uma pesquisa do IPEA (Instituto de Pesquisas de Economias Aplicadas).



Por segundo, os pedágios paulistas contabilizam R$ 168,09. Por hora são mais de R$ 605 mil. Por dia são mais de R$ 14 milhões e por mês o valor ultrapassa os R$ 435 milhões. O motorista pode acompanhar a quantas anda a arrecadação de pedágios no site do pedagiômetro.

http://pedagiometro.com.br/



terça-feira, 10 de agosto de 2010

Dilma é entrevistada pelo Jornal Nacional

Assista a entrevista, clique no link abaixo ou no título da matéria






O Jornal Nacional, telejornal da TV Globo, entrevistou em 09.08.2010 a candidata da coligação Para o Brasil Seguir Mudando, Dilma Rousseff. Ela falou sobre temas como o cuidado que terá com os brasileiros, a importância do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sua trajetória e o crescimento do Brasil nesse ano, que pode ser de 7%.

Dilma afirmou que tem experiência suficiente para comandar o país e se descreveu como uma pessoa firme, que não titubeia em relação aos problemas do povo. “Em relação aos problemas do povo brasileiro eu não vacilo, tem que ser resolvido prontamente.”

Leia abaixo os principais trechos da entrevista:

Preparada

Eu considero que eu tenho experiência administrativa suficiente. Fui secretária de Fazenda de Porto Alegre. Aliás, a primeira secretária de Fazenda de capital no país. Depois fui por duas vezes secretária de energia do Rio Grande do Sul, assumi o Ministério de Minas e Energia, também fui a primeira mulher. Depois assumi a chefia da Casa Civil e a coordenação do governo. Então, me considero preparada para governar o país. Eu tenho experiência. Conheço o Brasil de ponta a ponta.

Presidente Lula

A minha relação política com o presidente, Lula eu tenho imenso orgulho dela. Eu participei direitamente com o presidente, fui o braço direito e esquerdo dele, nesse processo de transformar o Brasil num país diferente. Um país que cresce e distribui renda e em que as pessoas têm, pela primeira vez depois de anos e anos, a possibilidade de crescer na vida. Então, eu não vejo problema nenhum na minha relação com o presidente Lula. Eu vejo como um fator positivo, porque ele é um grande líder e é reconhecido no mundo inteiro.

Diálogo

Sou uma pessoa firme e em relação aos problemas do povo brasileiro eu não vacilo, tem que ser resolvida prontamente. Temos que fazer um enorme esforço. Eu me considero preparada, até pelo cargo que eu ocupei, extremamente preparada no sentido do diálogo. Nós do governo Lula somos eminentemente do diálogo. Em relação aos movimentos sociais, você nunca vai ver o governo do presidente Lula tratando o qualquer movimento social a cacetete. Primeiro, nós dialogamos. Agora, nós sabemos fazer valer nossa autoridade. Nada de ilegalidade nós compactuamos.

PT

O PT acertou quando percebeu que governar o país, com a complexidade do Brasil, implica na capacidade de governar com uma aliança ampla. Não aderimos ao pensamento de quem quer seja. O governo tem uma diretriz: focar na questão social. Fazer com que o país tivesse a seguinte oportunidade: fazer com que um país que era um dos mais desiguais do mundo diminuir em 24 milhões a pobreza. Um país em que as pessoas não subiam na vida elevar para a classe média 31 milhões de brasileiros.

Crescimento econômico

Acredito que tivemos um processo muito mais duro no Brasil com a crise da dívida e com o governo que nos antecedeu. Quando chegamos ao governo, a inflação estava fora do controle. Tínhamos uma dívida com o Fundo Monetário Internacional, que vinha aqui e dava todas as receitas para o que se tinha que fazer. Tivemos que fazer um esforço muito grande para colocar as finanças no lugar. E nesse ano a discussão é de que somos um dos países que mais crescem no mundo. Criamos mais de 1,7 milhão de empregos no ano da crise.

Saneamento

Vamos ter um resultado excepcional dos dados em 2010. Talvez uma das áreas que mais me empenhei foi a de saneamento. O governo [anterior] investia menos de R$ 300 milhões no Brasil inteiro. Hoje, aqui no Rio, numa favela como a Rocinha que eu estive hoje, nós investimos mais de R$ 270 milhões. Nós lançamos o PAC para o caso do saneamento na metade de 2007 e começou a amadurecer e apresentaram os projetos no começo de 2008 e aceleraram. Hoje temos execução de obras no Brasil inteiro.

Projeto

O meu projeto é dar continuidade ao governo do presidente Lula. É avançar e aprofundar. É basicamente um olhar social, que tira o Brasil de uma situação de país emergente e leva a uma situação de país desenvolvido, com renda, salário decente, professores bem pagos e bem treinados. Eu acredito que é a hora e a vez do Brasil e que vamos chegar a uma situação muito diferente e mais avançada.

Acesse: http://www.dilma13.com.br/

Assista a entrevista, clique no link abaixo ou no título da matéria

http://www.youtube.com/watch?v=cJtooVoK6cs


Releembre o que a Globo ja fez para não permitir a vitória do PT nas eleições presidenciais.
A manipulação do último debate da campanha presidencial de 1989, entre Lula e Collor, pela Rede Globo, no Jornal Nacional.


Retirado de Além do Cidadão Kane, documentário da BBC
 
Clique no link abaixo e assista:
http://www.youtube.com/watch?v=9sOaJ27M1-A
 
O primeiro bloco da edição do JG de 14 de dezembro de 89, apresentado por William Bonner e Leilane Neubarth.

O jornal foi ao ar imediatamente depois do último debate das eleições, que seria criminosamente editado no JN do dia seguinte, 15/12. O primeiro bloco trata exatamente disso.

Clique no link abaixo e assista:
http://www.youtube.com/watch?v=lSfGjt9q4BY


Em sua primeira eleição presidencial, no segundo turno - com 31.076.364 votos (44,23% dos válidos) - é derrotado por Fernando Collor de Mello, então no PRN, com 35.089.998 votos (49.9% dos válidos). Veja os resultados.

Nesta eleição, tornou-se lugar comum dizer que Lula perdeu o segundo turno contra Collor devido a três “factóides” ( fatos artificialmente produzidos pela mídia): a entrevista da ex-namorada Mirian Cordeiro acusando Lula de incentivar o aborto da filha Lurian; as insinuações de que os seqüestradores do empresário Abílio Diniz tinham ligação com o PT; e a polêmica edição do último debate presidencial transmitido pelo Jornal Nacional.

A Rede Globo de televisão através do Jornal Nacional sempre fez a cabeça do eleitor, e sempre levou o Brasil ás ruínas, para se tornar uma das empresas mais poderosas e rica do Brasil, colocando a população brasileira na situação em que vivemos quando Fernado Henrique Cardoso (PSDB-SP) foi presidente do Brasil.
 
Faça você o julgamento, e tire a conclusão, quem é melhor, os outros políticos Collor, FHC, José Serra (PSDB), a Rede Globo de televisão, ou será que o melhor para o Brasil foi o Lula e o PT...
 
Não há duvidas do Brasil que vivemos hoje é bem melhor, para o Brasil que já vivenciamos com muitas dificuldades, a muitos anos atrás, divida externa (FMI), aposentaria de apenas 70 dólares, expotações, fome no País, desigualdade em grande escala, desempregos entre outros fatos que já ocorreram com o Brasil.   

Programa Pânico da Jovem Pan: Entrevistado Paulo Henrique Amorim, detona Globo e Miriam Leitão

PÂNICO NA RÁDIO JOVEM PAN - Paulo Henrique Amorim DETONA Rede Globo, Miriam Leitão, Lucia Hipólito e Revista Veja. Parte 1.





Paulo Henrique Amorim no programa Pânico na Rádio Jovem Pan

Clique no link abaixo ou no título da matéria
http://www.youtube.com/watch?v=OICwXgf0ZAw

Paulo Henrique Amorim Detona Parte 2.

http://www.youtube.com/watch?v=6NVZNQNl1OY

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

LEIAM O QUE FOI PUBLICADO NO JORNAL THE ECONOMIST


Senhores,


Com isenção de ânimo e sem paixões políticas, conhecer indicadores sociais e econômicos publicados pelo Jornal “The Economist”, comparando os Governos FHC e Lula.

A diferença e muito grande... É bom lembrar.

LEIAM O QUE FOI PUBLICADO NO JORNAL THE ECONOMIST





The Economist publicou!

Situação do Brasil antes e depois: Itens

Nos tempos de FHC Nos tempos de LULA



Clique na imagem para ampliar



Vais repassar esta mensagem também, né?

- Que esta mensagem circule pelo Brasil inteiro.

- ESSE TEXTO DEVE-SE TRANSFORMAR NA MAIOR CORRENTE QUE A INTERNET JÁ VIU!!!

ACORDA BRASIL! ""



PSDB OUTRA VEZ NÃO!!

PELO AMOR DE DEUS!!

Arquivo

Top 10 - Fatos e acontecimentos